sexta-feira, 14 de maio de 2010

Nunca existiu?!


Que silêncio é esse? Não há um ruído. Nenhum barulhinho. Aonde eu me enfiei? Eu já não estou numa floresta, tampouco numa clareira a céu aberto. Será um sonho? Eu não enxergo nada a não ser a luz. Há muita luz, um vazio branco. Aonde eu estou? Eu tenho medo.
Eu não escuto monstros arrastando corpos entre as folhas secas. Eu não escuto sussurros na escuridão, eu não escuto nada. De repente eu esteja surdo e cego. Cadê a floresta e todas aquelas árvores contorcidas? Cadê todas aquelas criaturas horripilantes? O meu mundo não é aqui, não é esse vazio branco, sem arte e sem cor. Porque eu sei que de um jeito ou de outro eu sempre voltaria para a floresta, aquela perdida entre as sombras. Porque quando eu acreditei que eu poderia sair de lá, algo me arrastou de volta para as entranhas escuras e cheias de espinhos desse pesadelo que não acaba.
Uma ilusão apareceu em meu caminho e me fez sorrir, me fez sonhar, me fez amar...e durante alguns dias eu estive plenamente bem. Andávamos de mãos dadas na floresta, no escuro mesmo. Os monstros sequer tentavam nos pegar. Eu me sentia seguro ao seu lado, como se você tivesse algum controle nesse mundo que eu criei.
Andamos e andamos, até que você parou de andar do nada. Soltou a minha mão e me olhou com um olhar distante e frio. Naquele momento eu me senti como uma folha, sendo levada para bem longe pelos ventos frios do outono.
Houve uma pausa e você não falava absolutamente nada, olhava ao redor, olhava para as árvores, olhava para o escuro, mas não olhava em meus olhos. Por que? O que poderia estar se passando em sua cabeça?
Até que uma hora você finalmente prestou atenção em mim e disse:
- Não posso mais! Isso não vai dar certo...
E então você saiu correndo na escuridão. Sem nenhuma reação eu fiquei paralisado vendo você correr, sem olhar pra trás, milagrosamente não caiu nas raízes e troncos podres. Em meus olhos tudo começou a ficar embaçado e logo eu percebi que algo molhava o meu rosto, escorrendo desesperadamente. Lágrimas? E então eu me descobri sozinho outra vez, num mundo cheio de perigos, sem proteção, sem nenhuma luz para iluminar meu caminho, sem amor, APENAS NADA.
Hoje eu me encontro nesse silêncio profundo e descobri que era tudo parte da floresta, você também pertence à Floresta das Sombras. Tudo naquele mundo não existe de fato e a imagem que eu deleguei a você também nunca existiu. Porque o problema está em mim, porque eu crio fantasias em tudo, eu me apego a tudo o que me faz bem, a tudo o que me fascina. Por que? Porque em mim há um vazio que não se preenche e eu busco em amores algo que me possa suprir. Hoje eu me encontro nesse mundo branco, oco, sem formas...só há um silêncio...só há um silêncio.

2 comentários:

Stëphanie disse...

Quando li, parei para pensar na vida.

. Teph . disse...

Apareça sumido. :)